domingo, 16 de janeiro de 2011

Autonomia

Soube que estava grávida no dia 14 de fevereiro. No dia 2 de março recebi o email do assessor de um deputado para quem eu havia enviado meu currículo me convidando para trabalhar nas eleições. Por conta da gravidez inesperada tive que responder que não poderia aceitar o convite. Eu ia ganhar de duas a três vezes mais que no meu atual emprego e ainda ia morar em outra cidade. Era tudo que eu queria, mas tinha que manter meu emprego por causa da licença maternidade e em nome da segurança. Era o início da perda da minha autonomia. Abrir mão. Fazer concessões.
Gente, a felicidade de ter a minha filha não tem tamanho. E abriria mão de tudo e mais um pouco para tê-la comigo hoje. Mas é diferente andar pelo mundo sozinha e com uma criança nos braços. Acho que esta é, talvez, a maior diferença entre nós, mães, e os pais. Falo principalmente das mães solteiras. A responsabilidade chama, grita em um volume muito maior. Às vezes o volume é tão alto que nos faz perder o sono.
Com a maternidade e sem garantia de alguém para dividir as responsabilidades, as contas todo mês... temos que nos virar em "ene" jornadas para manter a casa. Mesmo assim, as contas atrasam, o salário esvai-se em menos de uma quinzena, e artigos de "luxo" como ir ao salão fazer as luzes e unhas viram uma ostentação dispendiosa sem necessidade perto da urgência em comprar fraldas, lenços úmidos e Nan.

9 comentários:

  1. Adorei seu post. Pois meu casamento estava uma m...e eu ainda insistia em ter filhos. Mesmo que me separasse, queria ser mãe. mas agora vejo que foi a melhor coisa que fiz, foi nao ter filhos. Acho que nao aguentaria tamanha pressão de cuidar sozinha. Ainda mais que ele nao queria...eu viveria sozinha e sem emprego...isso sim é dificil.
    Pelo menos, vc esta empregada. E ser mãe tb é fazer concessões. Tenha calma e td vai dar certo. Pelo menos vc tem um sorriso lindo qdo chega e eu a cama vazia e fria...triste.
    Desculpe ..falei demais.

    http://2010palavrasaovento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. É, Flávia... É mesmo por aí... O fato de sermos as unicas responsaveis pela criação de nossos pequenos nos suga até a alma. E quando eles adormecem, tranquilos, a gente percebe como estamos esgotadas. Mas tudo vale a pena, é incrível como vale a pena mesmo. Eles preenchem muitas lacunas e nos fazem amadurecer de uma forma muito humana. A gente se põe mais vezes no lugar do outro, a gente ama com mais pureza. A gente cresce com garras de leoa.
    Enfim. Amo meu Pequeno Principe!

    ResponderExcluir
  3. Verdade!!!Até hoje, quatro anos depois que tive meu filho, não sei o que é sobrar salário no final do mês. Se sobra o que queremos é mimá-los com passeios...ai,ai...

    ResponderExcluir
  4. Olá Blogueiro,

    As enchentes fizeram centenas de vítimas nos últimos dias. Para impedir que a situação se agrave é preciso que os sobreviventes saibam como lidar com esta realidade e tomar as medidas de prevenção necessárias para evitar doenças graves. E você, blogueiro, pode ser nosso parceiro nessa divulgação e nos ajudar a salvar vidas. Caso queira participar desta ação, entre em contato com ocomunicacao@saude.gov.br que enviaremos o material necessário.

    ResponderExcluir
  5. Concordo plenamente com vc, e já passei por tudo isso e + um pouco, minha estória daria um livro, sou mãe solteira de uma menina linda de 6 anos e estou grávida de 5 meses e do jeito q vai vou continuar solteira,rsrs mas isso não me incomoda pois prefiro ter paz,do q alguém do meu lado q me tire o sono.Muita força, somos guerreiras!

    ResponderExcluir
  6. Hoje em dia parece que ser mãe solteira é uma coisa normal.
    Tenho vivido uma gravidez assim: sozinha. Não é nada agradável, mas também viver uma relaçao infeliz é mais desagradável ainda. Por isso, prefiro ser uma grávida solteira feliz, do que uma grávida com alguém infeliz.

    ResponderExcluir
  7. Pagar pensão não é fácil também, montar de novo uma casa e deixar tudo o que construiu também não é simples.

    Tudo tem o seu peso.

    Mas o sorriso deles compensam, quando dei a tão desejada camiseta do Manchester United pro meu filho a alegria dele não tem preço.

    Mas, o mais caro, é não poder viver o sonho da familia de margarina. As contas a gente da um jeito mas no coração é mais complicado.

    Saibam que nem todos os pais são desleixados, viu?! rsrsrs Alguns são idiotas para não curtir a companhia dos filhotes, outros covardes que fogem da responsabilidade. Entretanto o inverso também há.

    Beijos a todas as mães guerreiras, admiro-as!

    ResponderExcluir
  8. SOU UMA MULHER INDEPENDENTE, NAO PRECISO DA AJUDA O DIGNISSIMO PAPAI E COM ISSO JA PENSEI INUMERAS VEZES EM DESAPARECER E CRIAR MINHA FILHA SOZINHA, MAS SEI Q NAO POSSO TIRAR ISSO DELA,POIS ACHO IMPORTANTE A PRESENCA DE UM PAI, ISSO SE ELE FOR PRESENTE, PQ PELO JEITO... ELE TB VAI TER DIREITO DE V-LA, ACOMPANHA-LA SE QUISER. ENTAO NADA MAIS JUSTO Q AJUDAR COM AS DESPESAS, POIS ISSO SERIA TB UMA FORMA DE ADQUIRIR RESPONSABILIDADE...

    ResponderExcluir
  9. Flávia eu descobri que estava grávida no dia 05/01,antes disso havia feito um processo seletivo,e estava aguardando o resultado,então no dia 14/01 recebi a noticia que tinha sido aprovada,mas não pude aceitar o emprego,depois disso recebi outra proposta mas também ñ pude aceitar,eu sou professora e é muito complicado pra uma escola contratar uma professora grávida,pois logo entrará em licença maternidade e ter que arrumar outro professor no meio do ano é complicado.Mas Deus é tão bom que logo consegui um contrato em uma prefeitura e estou trabalhando. Assim posso espera meu bebê mais tranquila.apesar do pai ñ esta interessado nesta criança que espero.

    ResponderExcluir